Sinpro-Rio: professoras e professores, em estado de greve, exigem respeito do patronato

Os professores e professoras das escolas particulares do município do Rio de Janeiro, reunidos em assembleia nesse sábado, dia 20, decidiram entrar em estado de greve

 

Nota do Sinpro-Rio:

Professoras e professores, que atuam nas escolas particulares, deram uma pronta resposta aos patrões do ensino particular, aprovando, por unanimidade, o estado de GREVE, em Assembleia, dia 20 de maio, na sede do Sinpro-Rio.

O desrespeito à educação, com os patrões – representados nas reuniões paritárias – recusando o diálogo, levou as professoras e professores a sinalizar a GREVE, com agendamento de uma próxima assembleia para o dia 03 de junho, tendo como local, a ser confirmado, a UERJ.

Foram realizadas três reuniões paritárias, mas o sindicato patronal recusou-se a avançar nas conversações da Campanha Salarial 2017.

Mostrando-se intransigente nas negociações da Campanha Salarial 2017, deixaram clara a intenção de destinar tão somente o INPC, de 4,57%, como reajuste salarial.

O Sinpro-Rio sempre esteve de portas abertas ao diálogo, mas a insensibilidade patronal nas reuniões paritárias levou a categoria a indicar a GREVE.

Exigimos a retomada das negociações na busca de um acordo que contemple a categoria.

Este seria o sinal de respeito que professoras e professores esperam, sobretudo, pelos compromissos que têm com a educação e pelo esforço que dispendem diuturnamente em favor da qualidade do ensino que ministram.

O momento é grave e, sem diálogo, o caminho é a GREVE.

Todos à assembleia do dia 03 de junho!!!

Nenhum Direito a Menos!!!!

Sinpro-Rio – Sindicato dos Professores do Rio de Janeiro e região