NOTA OFICIAL DA FETEERJ E SINPROS: ATIVIDADES PRESENCIAIS NAS ESCOLAS SÓ COM VACINA E PANDEMIA CONTROLADA

A Feteerj e os Sindicatos dos Professores filiados abaixo assinados reivindicam das autoridades executivas municipais e estaduais do Rio de Janeiro que:

1) As aulas presenciais e demais atividades nos estabelecimentos de ensino, tanto no que concerne à iniciativa privada, quanto à rede pública, só possam ser reiniciadas quando forem desenvolvidas e efetivadas políticas de controle da pandemia, segundo critérios de aferição de instituições de saúde e científicas reconhecidas;

2) As professoras e professores dos estabelecimentos de ensino privados e públicos, em função das características específicas da categoria, sejam vacinados contra a covid já no grupo prioritário – cumprindo inclusive com o decreto 47.454 do governo do estado, publicado no Diário Oficial de 21/01/2021, que classifica a Educação como atividade essencial.

A pandemia, no Brasil, recrudesceu do final de 2020 para cá muito por causa do relaxamento das autoridades com a política de isolamento social, flexibilizando as normas de combate à pandemia. Essa flexibilização tornou a capital do estado a triste “líder” da taxa de mortalidade no País, atingindo 240 óbitos por 100 mil habitantes (Coluna do Ancelmo Gois de 18/01). Inclusive, pesquisa feita no Reino Unido (Europa) comprovou que os estabelecimentos de ensino são a 2ª maior causa de contaminação da doença, perdendo apenas para as casas de repouso de idosos e ficando à frente de escritórios.

Dessa forma, nenhuma cobertura mesmo que emergencial pode descartar a vacinação dos professores e demais funcionários das escolas devido à proximidade que essa categoria tem com uma enorme parcela da sociedade, potencializando a contaminação. Obviamente, entendemos que os profissionais de saúde e outros que estão à frente do combate à pandemia e os idosos têm que ser os primeiros a serem vacinados. Mas os professores não podem ficar muito atrás na ordem de vacinação, principalmente tendo em vista o anseio da sociedade de que nossos estudantes não tenham o futuro prejudicado.

Diante do exposto, as entidades abaixo assinadas consideram e alertam, em nome do bom senso, que o início intempestivo do ano letivo de forma presencial pode por em risco a saúde de toda a população, notadamente neste momento em que a pandemia se expande perigosamente no país e no nosso estado.

Assinam essa carta essa carta:

Diretoria colegiada da Feteerj e diretorias dos Sindicatos dos Professores (Sinpro) abaixo assinados:

Sindicato dos Professores da Baixada Fluminense

Sindicato dos Professores de Campos e São João da Barra

Sindicato dos Professores de Macaé e Região

Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro

Sindicato dos Professores de Niterói e Região

Sindicato dos Professores de Nova Friburgo

Sindicato dos Professores do Norte e Noroeste Fluminense

Sindicato dos Professores de Petrópolis e Região

Sindicato dos Professores da Região dos Lagos

Sindicato dos Professores de Teresópolis